O jornalismo na ficção e nos videojogos

Atualmente, o jornalismo é uma das profissões mais ameaçadas pelo desemprego. A baixa taxa de empregabilidade que assombra esta área, influencia futuros estudantes, a optar por esta profissão, que cada vez, é retratada pelos diferentes tipos de produtos, tais como: filmes, séries, telenovelas e até videojogos.


A inclusão de personagens jornalistas não é novidade. Hoje em dia, com a forte concorrência existente, as empresas apresentam produtos que se aproximam da realidade das pessoas. E o jornalismo não passa despercebido.

Recentemente, o filme “O Caso Spotlight”, realizado por: Thomas McCarthy, galardoado com dois Óscares da academia para melhor filme e melhor argumento original, mostra-nos o interior de uma investigação jornalística, as várias fases que a processam e os mecanismos utilizados para obter todo o tipo de informação.

A telenovela portuguesa “Coração D’ouro”, da autoria de Pedro Lopes, e exibida na SIC, incluí no seu enredo, algumas personagens jornalistas, entre elas, Beatriz interpretada pela atriz Maria João Bastos que no decorrer da trama, envolve-se numa perigosa investigação, para descobrir o autor de vários assassinatos que envolvem prostitutas, festas sexuais e elementos da classe alta da sociedade Portuguesa.

Mas se acha que é só a ficção que coloca este tipo de personagens nas suas estórias, está enganado, o videojogo “Heavy Rain”, produzido pela Quantic Dream, demonstra como o trabalho de jornalista pode ser perigoso. A personagem Madison Paige, uma das personagens jogáveis, investiga o caso do assassino do origami, um perigoso psicopata, que afoga as suas vítimas em água da chuva, e posteriormente, deixa-as num descampado com uma figura de origami na mão e uma orquídea no peito. Com a sua investigação bem delineada, Paige decide ir até ao fundo da questão, e por diversas vezes, acaba por infringir algumas questões éticas, e colocar a sua vida em perigo.

A inclusão deste tipo de personagens não é recente, mas o protagonismo que tem ganho ao longo do tempo, poderá conseguir limpar a imagem, que alguns telespectadores ainda possuem do jornalismo.

Deixa um comentário