Um dia e meio em Besançon, de Victor Hugo aos irmãos Lumière um encanto francês escondido

Todos os caminhos começam na Gare Viotte, a estação de caminhos-de-ferro, onde durante todo o dia chegam e partem da cidade dezenas de comboios – alguns de Dijon, outros de Belfort, e até Strasbourg. A partir dali, inspire fundo para aquela que será uma viagem a uma cidade esquecida nas grandes atrações turísticas do país. Besançon encontra-se a uma hora da fronteira franco-suíça e a 4h de carro da capital francesa.

Saindo da estação, encontra a linha do metro, e para lá da mesma, um jardim – Parc des Glacis. O meu conselho é esquecer os transportes públicos e aventurar-se por aquele caminho, sempre a descer até ao centro. Além do que a natureza oferece, poderá também viajar no tempo num memorial aos combatentes besontins da primeira Guerra Mundial. No fim desse jardim, entramos na Rue Battant, rua muito antiga e de grande comércio onde terminamos de caras com a Église de la Saint-Madeleine. É um monumento de estilo neoclássico, construída no século XVIII pelo arquiteto Nicolas Nicole.

Olhe à sua volta. Está no grande coração de Besançon, na baixa ou como os seus habitantes lhe chamam, le centre ville. Da ponte poderá deslumbrar o Rio Doubs (com nascente em Mouthe, no Jura Ocidental e foz em Chalon Sur-Saône, fazendo passagem no país vizinho) e nos ferros, que constroem a barreira, há promessas de amor eterno em forma de cadeados. Atravesse e conheça a Grande Rue – para aqueles que conhecem a baixa portuense, poderá encontrar aqui semelhanças à Rua de Sta. Catarina, no Porto, – com variadas lojas, cafés e uma galeria comercial. É aqui que poderá querer comprar alguma peça de roupa em falta, ou uma qualquer lembrança para os mais chegados. Para almoçar, sugiro um Kebab rápido, uma sandes de carne variada de origem turca, no Le Kebab Du Battant. Se, preferir desfrutar de uns pratos franceses tem como opção restaurantes como La Plancha ou La Grange, onde as especialidades são fondue, raclette e tábuas de carne.

Na mesma rua, situa-se o Musee du Temps onde se pode ver uma coleção impressionante de relógios. A relojoaria é a arte caraterística da cidade.

Continue caminho e, ao fundo da rua, poderá encontrar a casa do escritor Victor Hugo, autor de Les Miserábles e Notre-Dame de Paris (mais conhecido como o Corcunda de Notre-Dame), entre tantas outras obras. A poucos metros, encontra também a casa dos irmãos Lumière, inventores do cinematógrafo, conhecidos como os pais do cinema.

Depois de conhecer mais sobre a vida e a obra do escritor, inspire todo o ar que conseguir, para subir ao ponto mais alto da cidade – ou se preferir, tem também autocarro – rumo à Citadelle de Besançon, património mundial da UNESCO. A vista mais espetacular da cidade é aqui contemplada, a minha máquina fotográfica que o comprove. Além disso, e para ter uma leve ideia do espaço que envolve este forte, tem também um jardim zoológico e diversos museus. Das marionetas, dos peixes, insetos e ratos, e o mais visitado e marcante, o Museu da Resistência e da Deportação. Este último é destinado aos amantes de História, com vários factos, explicações, provas e testemunhos da II Guerra Mundial. O ambiente é pesado – a sensação é a de estar lá, a presenciar cada atrocidade – mas o fim compensa, encerrando a visita com a Declaração Universal dos Direitos Humanos, para que nunca seja esquecida.

Caso opte por pernoitar na cidade, a opção mais económica e nem por isso menos satisfatória, é o Hotel Ibis, junto ao Parc de Glacis. No dia seguinte, poderá visitar ainda a Cité des Arts – centro de atividades culturais (música, dança e exposições); Parc Micaud, jardim junto ao rio; e Parc de La Gare d’Eau onde poderá desfrutar de um excelente fim de tarde, entre as montanhas.

Besançon é uma cidade que equilibra de forma perfeita a civilização e a natureza. É um encontro aos gostos de cada um, a vida citadina e o meio rural. Em cada rua, um espaço verde, uma árvore que deslumbra, um jardim que convida a relaxar, um pássaro que chilra para nos chamar ao recanto escondido.

Informações Úteis:

  • Gare Viotte: 2 Avenue de la Paix, 25000, Besançon (+33 892 35 35 35)
  • Église de la Saint-Madeleine: 1 Rue de la Madeleine, 25000 Besançon (+33 3 81 82 02 45)
  • Le Kebab du Battant: 1 Grande Rue, 25000 Besançon (+33 9 80 59 78 84)
  • La Plancha: 10 Rue Gustave Courbet, 25000, Besançon (+33 3 81 48 25 39)
  • La Grange: 17, Avenue Cusenier, 25000 Besançon (+33 3 81 50 82 97)
  • Musee du Temps: 96 Grande Rue, 25000 Besançon (+33 3 81 87 81 50)
  • Maison Natale de Victor Hugo: 140 Grande Rue, 25000 Besançon (+33 3 81 41 53 65)
  • Citadelle de Besançon: 99 Rue des Fusillés de la Résistance, 25000 Besançon (+33 3 81 87 83 33)
  • Hotel Ibis: 5 Avenue du Maréchal Foch, 25000 Besançon (+33 892 68 11 86)
  • Cité des Arts: 12 Avenue Arthur Gaulard, 25000 Besançon (+33 3 81 87 87 40)

Mapa onde ir, onde comer e onde dormir em Besançon:

 

Deixa um comentário