EUROVISÃO: O FESTIVAL QUE PARA A EUROPA

Mais uma edição da Eurovisão que fez parar a Europa em torno da música e, desta vez, Portugal saiu vencedor. “Amar pelos Dois” foi a canção interpretada por Salvador Sobral, o jovem de 27 anos que surpreendeu os portugueses, e meses depois, o mundo.

Com 62 edições do Festival Eurovisão da Canção, que decorre desde 1956, esta vitória é um marco histórico para Portugal. Para além da primeira vitória nacional desde que o nosso país entrou no concurso, em 1964, o tema português quebrou o recorde e foi o tema mais pontuado da história do festival com 758 pontos, repartidos entre o júri e o público. O tema anterior, vencedor da edição de 2016, pertencia à Ucrânia e havia arrecadado 534 pontos. Foram 18 os países que atribuíram a pontuação máxima (12 pontos) à canção composta por Luísa Sobral, e apenas a Bulgária atribuiu 0 pontos.

Francisco Pereira, elemento da banda D.A.M.A defende que esta vitória não terá efeitos práticos na música portuguesa, mas que todos os artistas portugueses “deverão sentir um imenso orgulho pelo que os irmãos Sobral alcançaram” e que “todos têm a sua maneira de sentir e viver a música.”

O cantor diz que este acontecimento veio apenas confirmar aquilo que todos deviam saber, “Portugal é um país cheio de talento em várias áreas” e revela ainda a sua felicidade por ver a sua área reconhecida “por uma canção e uma voz incrível como a do Salvador.”

Por outro lado, Maria João Silva, fã Eurovisiva desde a sua infância, acredita que esta vitória terá o maior impacto na música portuguesa desde a geração de 60, marcada por temas como “A Desfolhada” e “Sol de Inverno”. Para a estudante, “Amar Pelos Dois é o tema que vai marcar a nossa geração, e definir um novo começo da música portuguesa.”

A nível internacional, Maria João acredita que este feito vai contribuir para que a Europa deixe de pensar que a música portuguesa é apenas o fado, para além de provar que “não é preciso cantar em inglês para se captar a atenção do público.”

Salvador relembra-nos, com uma atitude , que o impossível “é só uma questão de opinião.” A propósito desta vitória, foram diversos os órgão de comunicação de outros países que elogiaram quer a performance quer a atitude, descontraída e humildade de Salvador, em palco  – o  jornal britânico The Guardian disse até que “a língua portuguesa é provavelmente a língua mais bela para se cantarem boas e melodiosas músicas”.

Deixa um comentário