ASAS uma companhia de voluntários

O grupo ASAS Anjos Solidários são um projeto dedicado ao voluntariado. Fábio Barge tem 23 anos, é formado em artes do espetáculo e é membro e fundador deste grupo. O jovem falou-nos sobre o aparecimento do projeto, que é constituído por jovens, quais os objetivos que têm atualmente e aquilo que esperam futuramente. Além disso, explicou como qualquer pessoa pode entrar no grupo e até mesmo ajudar estes jovens voluntários que têm a força de mudar mentalidades e fazer a diferença na sociedade.

Elementos do grupo ASAS (fotografia retirada do facebook ASAS Anjos Solidários)

Inf: O que é o grupo ASAS Anjos Solidários?

FB: “O grupo ASAS Anjos Solidários é, na sua essência, um grupo de jovens com idades compreendidas entre os 12 e os 24 anos. Todos residimos no concelho de Ovar e suas freguesias. É através da arte do espetáculo e do testemunho pessoal que tentamos sensibilizar comunidades face à solidariedade social. Nós não somos uma companhia de teatro, mas sim uma companhia de voluntários onde a solidariedade é o ponto-chave. O nosso lema é “Acima de Tudo o Amor. Amor pelo próximo e também por nós próprios. Amor em ajudar sem esperar nada em troca.””

Infomedia (Inf): Como surgiu o grupo ASAS Anjos Solidários?

Fábio Barge (FB): “O grupo ASAS surgiu há cerca de 5 anos num grupo de catequese, dirigido pela professora Manuela Couto, que era a nossa coordenadora. Na altura funcionávamos como uma catequese de sala de aula que, aos poucos, se foi revelando e arriscando ao realizar novos projetos no exterior, como por exemplo, palestras acerca da violência doméstica, do bullying, entre outros assuntos. Houve um dia em que nos reunimos e dissemos “queremos fazer mais, apoiar uma causa”, e daí adveio a realização de algo em prol de uma instituição, nomeadamente, o Instituto Português de Oncologia do Porto (IPO), com especificidade na ala pediátrica. A partir daí fundamentamos que os iríamos ajudar o IPO com a oferta de valores, tanto monetários como de bens materiais lúdico-didáticos, e o mecanismo escolhido para a angariação dos mesmos foi a realização de um espetáculo musical intitulado “Pitch Perfect”.  A 11 de setembro de 2015 resolvemos ser mais que um grupo, então fomos visitar a conservatória para fazer o registo do grupo como Associação Cultural Alquimia das Estrelas, ou seja, desde há um ano que somos um grupo institucionalizado com direitos e deveres.”

Inf: Qual é o razão e significado do nome ASAS Anjos Solidários?

FB: “A nossa coordenadora trata-nos por “anjinhos”. Então não foi uma escolha difícil. O nome teria que ter a palavra “anjos” na sua composição e por acréscimo a palavra “solidários” que fazia todo o sentido. No entanto, queríamos uma sigla, e em conversa, chegámos ao nome de ASAS que significa Anjos Solidários Anjos Solidários. Assim quisemos demonstrar que numa primeira fase nós somos os anjos solidários, mas que os outros também podem ser.”

Inf: Quem faz parte do grupo?

FB: “O grupo é composto, na sua maioria, por jovens estudantes, e também alguns trabalhadores. O elemento mais novo tem 12 anos e os mais velhos têm 24. O resto do grupo está dividido entre a faixa etária dos 15 anos e os 22. Pelo grupo já passaram mais de 50 jovens, em que apenas do grupo original se mantém 4 pessoas: Andreia Silva, Rita Valente, Beatriz Barranquinho e Fábio Barge. Para além dos jovens, temos pessoas exteriores que nos ajudam, como é o caso da Dra. Lúcia, a nossa advogada, a D. Cristina, nossa contabilista, a Dra. Fátima Veiga, médica de família e o Presidente da Câmara Municipal de Ovar, Salvador Malheiro. Também temos o auxílio dos nossos pais e familiares, que muitas vezes nos ajudam naquilo que mais precisamos, como por exemplo, angariar patrocínios, comprar-nos materiais, dar-nos transporte para os sítios a que nos deslocamos e até mesmo, participar em espetáculos e sugerir novas ideias.”

Inf: Quais são as vossas atividades para angariação de fundos e bens?

FB: “Os nossos eventos são sempre à base do teatro musical e da comédia, mas também realizamos outros de caráter mais dramático, sempre com mensagens para a comunidade ficar alerta. Para além dos espetáculos realizamos ainda festas, palestras, caminhadas, convívios, visitas a instituições para conhecer o seu funcionamento e as causas que desenvolvem.”

Inf: O que se pode esperar do grupo ASAS Anjos Solidários futuramente? Que projetos estão em mente?

FB: “Provavelmente o ano de 2017 será o ano do grupo ASAS! Temos muitos projetos em mãos. Neste momento, estamos a desenvolver um projeto “Um dia Pela Vida” com a Câmara Municipal de Ovar, que visa sensibilizar as pessoas para o cancro e os seus tratamentos, onde teremos testemunhos dos sobreviventes. Este projeto durará entre maio e julho e, ao longo desse período, faremos diversas atividades, tanto em Válega como em Ovar. Depois disso, vamos ter outro projeto associado ao Centro de Dia e Infantário de Válega, que face às suas necessidades para a restauração dos espaços, recorreu ao ASAS para os ajudarmos. Temos também projetos relacionados com o IPO do Porto, com quem temos vindo a fazer parceria ao longo da existência do grupo, com a participação em galas solidárias. Por volta de outubro apresentaremos o nosso projeto que está, neste momento, em desenvolvimento intitulado de “Aglaia e a Louca Viagem ao Império dos Delírios”, que é um espetáculo musical com comédia que recolherá receitas para uma causa à escolha do grupo.”

Inf: Como é que alguém consegue convidar o vosso grupo para atuar ou participar numa atividade?

FB: “As pessoas podem visitar-nos à hora dos nossos ensaios (domingos de manhã, no salão paroquial de Válega, entre às 10h e às 12h30), ou através da nossa página do facebook “ASAS – Anjos Solidários”, ou então falar com os nossos elementos.”

Inf: Como é que as pessoas podem entrar para o grupo ASAS?

FB: “O grupo do ASAS está em constante mudança, ou seja, há elementos que vão saindo e outros vão entrando. Cada um cumpre a sua missão e depois a vida encarregará de fazer o resto! No entanto, para o grupo pode entrar pessoas aquando da realização de castings ou apenas demonstrando interesse. Não é preciso saber representar, cantar ou dançar. Basta que haja vontade de ajudar e que seja de coração, ou seja, que não esperem nada em troca e sejam humildes. Logo, qualquer pessoa é bem-vinda.”

Inf: Qual é o retorno que têm recebido das pessoas?

FB: “O grupo tem vindo a ter um retorno muito positivo. As pessoas que conhecem o grupo louvam o nosso trabalho e dão-nos como exemplo a outros jovens. Isso para nós é a concretização dos objetivos. Ficamos felizes quando sabemos que o ASAS é já reconhecido por algumas pessoas e que são conhecedoras dos nossos projetos. Ficamos sempre admirados com a adesão que temos face aos espetáculos que temos vindo a realizar. Por norma, temos sempre cerca de 350 – 450 pessoas a assistir-nos, e isso para nós é um sonho!”

Inf: Este projeto difere dos outros porque motivo?

FB: “Penso que este projeto é relevante e se diferencia por ser feito por jovens. Por sermos nós próprios a tomar a iniciativa e, por vezes, a deixar a nossa vida pessoal para trás, porque queremos que o grupo resulte e por isso trabalhamos muito. Creio que é por isso que somos diferentes! Sou pouco conhecedor de grupos idênticos ao nosso ou se existirem estão carenciados de impulso que os façam destacar-se pelo trabalho desenvolvido. O ASAS aos poucos vai-se afirmando, porque nós não paramos um segundo. Nós não procuramos fama, apenas reconhecimento para que sirvamos de exemplo e que levemos outras pessoas a caminharem connosco.”

 

Informações úteis:

Morada – Rua da Igreja Matriz de Válega, nº149 / 3880-506 Ovar

Ensaios – aos domingos, entre às 10h e às 12h30, no salão paroquial de Válega

Site – https://www.facebook.com/asasanjossolidarios/

Deixa um comentário