As mercearias numa nova tradição

A frescura dos legumes, o aroma dos morangos, o cheiro intenso das laranjas e as maçãs brilhantes marcavam a mercearia centenária Casa Oriental. Mas o comércio moderno no Porto tende a crescer progressivamente e é preciso renovar o tradicional, pois só assim é possível adaptar-se aos tempos modernos.

Localizada junto à Torre dos Clérigos, a mercearia mostra-nos um espaço totalmente renovado desde há cerca de um ano. Com o bacalhau seco pendurado à entrada, a mercearia atrai muitos turistas para tirarem as câmeras da mochila e dispararem contra o peixe que desperta a curiosidade de quem por ali passa. A cor, a intensidade e o cheiro revelam-se diferentes na hora da compra de um bacalhau numa mercearia tradicional, devido à forma como é curado. Apesar de haver cada vez mais hipermercados, Miguel Rodrigues, funcionário da casa, acredita que “a qualidade dos produtos leva os consumidores a irem em busca do comércio tradicional e preferem continuar a vir à baixa para comprar determinados produtos que têm referência e consoante os seus gostos. Com as melhores qualidades e com a melhor seleção fazemos com que o cliente procure uma casa especializada”.

Conservas Comur. Fotografia: Sara Oliveira

Se antes a Casa Oriental despertava a atenção de quem por ali passava pelas caixas de frutas e legumes espalhadas no exterior da loja, hoje em dia isso já não acontece. “Esta foi uma das formas de nos adaptarmos ao novos tempos. Ao contrário do que acontecia antes, hoje já não vendemos fruta nem legumes”. Mas Rodrigues faz questão de destacar produtos que nunca saíram da mercearia e que se mantêm fiéis ao cliente. “Os produtos principais são o bacalhau, os vinhos do Porto Taylor’s, o queijo Serra da Estrela Dop (denominação de origem protegida), as conservas da Comur e depois temos alguns produtos como as compotas, o café do Delta Barco, marca de chocolates antiga que é a Avianense (única marca que temos), chás e uma garrafeira com a referência de vinhos das melhores marcas”.

Como escolher o melhor bacalhau? Miguel dá a dica:

“O bacalhau para ser bom tem de ser bem seco, bem curado, um bacalhau que tem de estar bastante tempo no sal e que quando pegamos nele se mantém direito. Outra característica é ser um bocadinho amarelo”.

Embora hajam vários produtos na loja, o funcionário da Casa Oriental destaca dois tipos de clientes: “Temos o cliente do bacalhau e o outro cliente é do queijo Serra da Estrela”.
Os produtos organizados nas prateleiras dão ao espaço, que se encontra totalmente organizado, um ar moderno mas ao mesmo tempo tradicional. O ar moderno deve-se às granolas biológicas que têm expostas, uma vez que é cada vez maior o número de pessoas que se preocupa com uma alimentação saudável e para isso há que se adaptar às “modernices”. A preocupação com a identificação do que cada produto leva tornou-se num fator importante de adaptação. “Há uma maior explicação em relação aos produtos. Quando tem mais ou menos açúcar ou mais ou menos sal. Sabemos que hoje em dia o cliente preocupa-se mais com o que come e assim, é através das tabelas nutricionais que consegue obter essas informações”. Outra forma de cativarem os clientes passou pela criação da Casa Portuguesa do Pastel de Bacalhau que se encontra ao lado da mercearia centenária. “A loja do pastel de bacalhau pertence ao grupo da mercearia. É uma mistura do tradicional pastel de bacalhau e do queijo que vendemos da Serra da Estrela. Muitas vezes, as pessoas que vão visitar a Casa do Pastel de Bacalhau acabam por vir aqui comprar um queijo porque gostaram do sabor ou até mesmo para oferecer”.

Pastéis de bacalhau. Fotografia: Sara Oliveira

Esta ligação entre as duas casas cria uma dinâmica numa mercearia que se colocou na pele de um “Porto novo”, pronta a receber os mais jovens, os clientes mais antigos e os turistas. Estes, com um ar curioso, espreitam por entre a porta o que por ali se vende e no ar da sua graça acabam por entrar, ver e comprar, como forma de mais tarde recordar um dos pontos por onde passaram quando visitaram o Porto.

 

Casa Oriental
Endereço: Rua Campo dos Mártires da Pátria 111, 4050-367 Porto
Telefone: 916 486 829
E-mail: geral@casaoriental.com.pt
Site: http://www.casaoriental.pt/
Facebook: https://www.facebook.com/CasaOrientalPorto/
Horário: Aberto todos os dias (segunda-feira a domingo): 10h00 – 19h30