Ser fã

Há uma magia que surge na vida quando nos torna-mos fãs de alguém, é inexplicável e mesmo sem conhecer a pessoa pessoalmente vamos criando uma espécie de “amigo imaginário”. Ele está lá quando mais precisamos. Ninguém, nem mesmo nós, conseguimos ver mas ele esta lá, através (por exemplo) das suas músicas, construímos mundos aleatórios que nos levam para lugares melhores do que aqueles que aqueles que esperaríamos descobrir.

Ser fã de alguém é mais do que gostar do trabalho que a pessoa faz, é tentar compreender tudo o que está por detrás da figura famosa, respeitar e amar a sua individualidade; é ser capaz de assumir os erros da pessoa mas não deixar que terceiros o critiquem de forma ofensiva, é amar até mesmo nos piores momentos. Ser fã é chorar pelas lágrimas daquele que admiramos; ser fã é sorrir pelo sorriso; ser fã é rir pelo riso, a cima de tudo é mesmo com a nossa pequena insignificância estar ali ao lado dele e NUNCA DESISTIR. Talvez esta seja a chave para continuar a acreditar : nunca desistir de conhecer pessoalmente o nosso ídolo. Há quem encontre estes suportes humanos para o combate a depressões, sejam elas famosas ou não, mas quando o são recorrem a vários submundos : música, desporto, escrita, fotografia, entre outros. Cada pessoa se foca naquilo que mais ajuda a fortalecer e arranja os ditos “ídolos” em quem se inspirar, se calhar, não para fazer uma cópia exata de aquilo que o famoso é, mas tendo uma ideia de  ” amigo imaginário” que não nos deixará cair. Seja para o que for, ele vai estar lá mesmo não estando.

A vontade incontrolável de conhecer a pessoa, abraçar e agradecer olhos nos olhos por tudo o que alguma vez fez por nós é quase incompreensível, até para quem sente este amor. Sim, ser fã é uma espécie de amor, não digo a mais forte e a mais bonita mas talvez esteja no top três dos amores mais bonitos de se ver. Acabam então por achar ridículo e infantil tanta admiração por alguém que nem conhecemos e provavelmente ” nunca” viremos a conhecer.

Ser fã é ser incompreendido por todos os que não vêm em outro alguém um exemplo de vida, mas é ser respeitada, amada e muitas vezes ajudada por grupos de fãs que se criam. Acreditem, mais do que um grupo, o ambiente é de uma família unida, tudo pela mesma causa e é incrível todo o apoio que se sente quando se entra num “fandom”.

Muitos consideram ser fã de algum famoso algo terrível porque , e é verdade, há uma grande tendência de copiar o nosso ídolo, quer nas atitudes mais positivas, quer nos maiores e mais irresponsáveis erros. Mas é preciso ter a noção que é de humanos que se trata e não de robots previamente programados para a perfeição.  Aliás, não cabe ao ídolo educar os seus fãs – não nego que tenham de ter cuidado com a postura – mas como refiro são apenas humanos.

Há tanta coisa que podia ser dita à cerca de ser fã, mas é tão difícil ao mesmo tempo expressar por palavras um sentimento. Ser fã não é um capricho, e maior parte das vezes, não é uma fase passageira, é algo que perdura no tempo. Ser fã é então ter um exemplo de vida numa pessoa e sentir motivação a cada dia que passa só por saber que essa mesma pessoa existe. E o grande problema de ser fã é não poder estar ao lado dele quando precisa de nós, é não ter a capacidade de tirar toda a dor do seu coração da mesma forma que ele tirou a dos nossos.

Eu tenho ídolos, sim, pessoas a quem tenho de agradecer pessoalmente por estarem do meu lado sem me conhecerem, por me terem dado a força que deram quando eu mais precisava; por me terem feito crescer, a cima de tudo por nunca me deixarem desistir. Eu sei que eles não sabem que eu existo mas eu sei que eles existem, e sinto orgulho em ser fã de alguém.

Se és fã não te envergonhes por o seres, seja quem for o teu ídolo. Ser fã é um sentimento bonito. Eu sou fã e não tenho medo de o ser, nem de dizer.

Deixa um comentário