Outubro e novembro: um mês de lançamentos

Os meses de outubro e novembro foram o palco escolhido para o lançamento de novos livros, rscritos por diferentes autores, com editoras diferentes e histórias bem distintas. O Infomedia apresenta neste artigo três dos livros mais aguardados do ano, que já se manifestaram um sucesso de vendas.

A Origem

 Lançado a 4 de outubro, Daniel Brown promete mais um êxito. Autor do polémico Código de Da Vinci, Brown escreveu agora A Origem. O seu estilo característico, conhecido dos seus leitores assíduos, mantém-se.

A obra retrata um romance em Espanha, entre as cidades de Bilbau e Barcelona. Os protagonistas são Robert Langdon, simbologista de Harvard e Ambra Vidal, diretora do Museu Guggenheim, o local escolhido por Langdon para assistir a um anúncio que mudará para sempre a forma como encaramos a ciência, anunciado por Edmond Kirsch. Contudo, esta nova descoberta pode estar em vias de se perder para sempre.

Sob o pretexto de encontrar uma palavra-passe capaz de salvar o flagrante anúncio, a estória leva-nos a deambular entre a simbologia de códigos, ciência, religião, história, arte moderna e arquitetura, remetendo-nos a duas questões: De onde vimos? e Para onde vamos?

A estranha ordem das coisas

António Damásio, também autor da polémica obra O erro de Descartes, lançou no passado dia 3 de novembro, o seu novo livro. A estranha ordem das coisas é mais um livro onde o neurocientista promete fazer refletir sobre as respostas a questões do ser humano que damos como certas e irrefutáveis.

A resposta comum à questão do desencadeamento do empreendimento cultura é a linguagem. Porém, António Damásio apresenta neste livro uma resposta diferente e peculiar. Para o autor, sentimentos como dor, sofrimento ou prazer antecipado são os únicos capazes de estimular a inteligência humana no campo da cultura. Damásio acrescenta que os mesmos sentimentos são também capazes de definir o sucesso ou o fracasso do Homem em áreas pessoas ou até em campos políticos.

Reaccionário com dois cês

O autor dispensa apresentações. Ricardo Araújo Pereira é uma figura constante na casa dos portugueses e apresenta o livro, lançado a 10 de novembro, como um livro de rabugices. Na verdade, podemos encontrar nesta obra uma crítica a panoramas atuais como selfies, Marine Le Pen, Facebook ou perspetivas sobre questões portuguesas como as vitórias do Euro, denominadas como ‘portugalidades’.

Bem ao estilo do humor acautelado a que o cronista já nos habituou, o presente livro divide-se em quatro capítulos capazes de fazer rir e, ao mesmo tempo refletir sobre temas que preenchem o nosso quotidiano.

 

O Infomedia não acredita em coincidências, mas que as há, há. A excelência dos livros aqui apresentados e o facto de os mesmos terem sido lançados tão perto da época natalícia só poderá querer dizer que estes podem ser um bom presente de natal.

Só nos resta desejar boas leituras!

 

 

Deixa um comentário