Sou compatível?

Compatível ou não? É a questão. Doar sangue é considerado um ato de bondade e preocupação para com o outro. No entanto, ainda existe pouco esclarecimento no que diz respeito às compatibilidades entre dador e recetor.

O sangue é composto por uma parte líquida, o plasma, e uma parte sólida, que contém as células do sangue. Estas podem designar-se por: glóbulos vermelhos (hemácias), glóbulos brancos (leucócitos) e plaquetas. Cerca de 55% do sangue no ser humano é líquido e 45% é composto por células. O sistema sanguíneo é classificado a partir de duas vertentes: o sistema ABO e o fator Rh.

 

Origem do sistema ABO e do fator RH:

No início do século XX, Karl Landsteiner, médico austríaco, através de experimentações com amostras de sangue de várias pessoas, reparou que existiam duas reações possíveis: os sangues misturavam-se sem qualquer alteração ou os sangues misturavam-se mas ocorria a formação de coágulos e a destruição de glóbulos vermelhos. Assim, surgiu a classificação do sangue em três tipos: A, B e O. Mais tarde, foi descoberto o tipo AB, considerado como o tipo sanguíneo mais raro. A partir deste sistema ABO foi possível começar a compreender a compatibilidade entre o dador e o recetor.

No entanto, em 1940, a distinção entre o sistema ABO não era suficiente para o sucesso das transfusões. Karl Landsteiner percebeu que existia mais um fator que interferia na compatibilidade: o sistema ou fator RH. O fator RH determina se o sangue é positivo ou negativo, por exemplo, A+ (“A” positivo) ou A- (“A” negativo).

Compatível ou não? Aqui está a explicação.

Os glóbulos vermelhos detêm algumas proteínas na sua superfície, os antigénios ou aglutinogénios, estes podem ser classificadas em dois tipos: A e B. São esses antigénios que atribuem ao sangue os nomes de A, B, AB e O.

  • Se um indivíduo for portador de antigénios A, o seu sangue será classificado como tipo A.
  • Se um individuo for portador de antigénios B, o seu sangue será classificado como tipo B.
  • Se um indivíduo for portador de antigénios A e antigénios B, o seu sangue será classificado como tipo AB.
  • Se um indivíduo não for portador de antigénios, seja A ou B, o seu sangue será classificado como tipo O.

A incompatibilidade entre os sangues surge quando há diferenças entre os antigénios do dador e do recetor. Estas diferenças são detetadas por um anti-corpo presente no antigénio do recetor:

  • Um indivíduo com glóbulos vermelhos que apresentam antigénios A na superfície (tipo A) possui anticorpos contra glóbulos vermelhos com antigénios B.  Assim, qualquer dador de sangue tipo B não será aceite.
  • Um indivíduo com glóbulos vermelhos que apresentam antigénios B na superfície (tipo B) possui anticorpos contra glóbulos vermelhos com antigénios A. Assim, qualquer dador de sangue tipo A será rejeitado.
  • Um indivíduo com glóbulos vermelhos que apresentam antigénios A e B na superfície (tipo AB) não possui anticorpos contra glóbulos vermelhos com antigénios B nem contra glóbulos vermelhos com antigénios A. Desta forma, não havendo anticorpos, todos os tipos de sangue são aceites (tipo A, B ou O).
  • Um indivíduo com glóbulos vermelhos que não apresentam nem antigénios A nem antigénios B  na superfície (tipo O) possui anticorpos contra glóbulos vermelhos com antigénios A e contra glóbulos vermelhos com antigénios B.  Ao existirem anticorpos para ambos antigénios (A e B), esse indivíduo só pode receber sangue do tipo O.

 

Fonte: tuasaude.com

 

Quanto ao fator Rh, o processo é semelhante: algumas células são portadoras de antigénios Rh, também designados por antigénios D. Pessoas com sangue positivo ( Rh+, e.g. B+) podem receber de pessoas com qualquer Rh (Rh+ ou Rh-, e.g. B+ ou O-), mas só podem doar para outras com sangue positivo (e.g. B+, O+ ou AB+) Enquanto se o sangue tiver Rh negativo pode doar para pessoas com sangue positivo ou negativo mas só podem receber negativo.

Desta forma, é resumida a partir desta tabela as compatibilidades existentes:

 

Fonte: atuasaude.com

Caso aconteça uma incompatibilidade sanguínea durante a transfusão (e.g. transfusão de dador A+ para recetor B+), é desencadeada uma reação antigénio-anticorpo que conduz à aglutinação e destruição de glóbulos vermelhos transfundidos, podendo causar a morte do recetor.

Fonte: Matias, Osório & Martins, Pedro (2013), Biologia- “Património Genético”; Porto Editora.

Deixa um comentário