Há uma linha que une as Coreias

Entre conflitos e tentativas de momentos de paz, as Coreias partilham momentos marcantes na história.

A história das Coreias começa com o término da a Segunda Guerra Mundial, em 1945, aquando a expulsão dos japoneses da península coreana após a guerrilha liderada por Kim Il Sung. Os soviéticos estabeleceram-se ao norte da peninsula e os norte-americanos ao sul, formando-se assim dois países divididos que reclamavam o direito sobre toda a península, cada um proclamando ser o legítimo representante do povo coreano.

Apesar desta luta por liderança paz manteve-se e a 25 de junho de 1950 a Coreia do Norte tentou a unificação do país, invadindo a Coreia do Sul, dominada por tropas americanas, dando assim início a uma grande guerra, que contou com a China e União Soviética de um lado e os Estados Unidos do outro. Em 27 de julho de 1953 foi assinado um acordo entre o comandante do exército norte-coreano e a ONU, criando uma zona desmilitarizada entre os dois países.

Após esse momento, a Coreia do Norte caiu num regime de partido único que se encontra em vigor até hoje. A Coreia do Norte apresentava bons índices de desenvolvimento económico e industrial graças à ajuda da antiga URSS. Contudo, com a crise do petróleo que surgiu nos anos 1970 o país parou de crescer.

 

E agora?

Com Kim Jong Un no poder da Coreia do Norte após a morte de seu pai, existiram diversos conflitos e discussões entre os dois países, mas recentemente os dois países realizaram uma cimeira que culminou na assinatura de um acordo onde os líderes dos dois países estabeleceram um novo compromisso com “uma nova era de paz” e com a “desnuclearização da Península da Coreia”.

 

Moon Jae-in disse mecionou que na cimeira foi acordada uma  “desnuclearização da Península da Coreia” que será feita “à medida que for aliviada a tensão e forem feitos progressos substanciais na construção de confiança mútua militar”. Este é um detalhe que está a ser referido por vários analistas como um entrave a um possível entendimento entre Donald Trump e Kim Jong-un, que estarão reunidos numa cimeira inédita no final de maio.

As reações a esta cimeira não tardaram, uma das primeiras perspetivas em relação à mesma veio do Presidente norte-americano que destacou o lado positivo do acordo entre os países da península coreana, afirmando que “o povo norte-americano deve estar orgulhoso do que se está a passar com as “Coreias”.

Donald Trump e Kim Jong-un devem reunir-se para uma cimeira inédita no final de maio. Até agora, nem a data concreta nem o local do encontro são conhecidos.

Deixa um comentário