Da qualificação para a Champions até à 2ª liga

O Paços de Ferreira foi esta semana despromovido à 2ª Liga depois de ter perdido no terreno do Portimonense por 3-1 e de ter visto Vitória de Setúbal, o seu concorrente direto, ter levado de vencida a equipa do Tondela por 1-0. Este resultado valeu a manutenção à equipa Sadina.

A equipa da capital do móvel estava há 13 épocas consecutivas na primeira divisão portuguesa. Apenas os três grandes, Porto, Benfica e Sporting, conjuntamente com o Sporting de Braga, o Maritimo e o próprio Vitória de Setúbal levavam mais temporadas no escalão mais alto do futebol português.

Desde a época 2012/2013, época gloriosa para o conjunto Pacense, o Paços de Ferreira tem sofrido uma quebra abrupta no que diz respeito ao rendimento desportivo.

Nessa temporada sob o comando de Paulo Fonseca, atual treinador dos ucranianos do Shakhtar Donetsk , atingiu um inédito 3°lugar e consequente apuramento para a 3ª pré-eliminatória de acesso Liga dos Campeões, sendo até hoje considerado o maior feito da história do clube.

Logo na temporada seguinte, o treinador saiu e os Castores foram ao playoff de despromoção frente ao Desportivo das Aves, acabando por vencer e garantir a manutenção.

No ano seguinte, Paulo Fonseca, fruto de uma experiência não muito feliz ao serviço do Futebol Clube do Porto, haveria de regressar à casa que o fez nascer para o futebol enquanto treinador. O treinador português haveria de conduzir o Paços a um 8°lugar dando  a ideia da equipa estar a retomar os bons resultados e as boas exibições.

Na época seguinte, outro nome forte iria surgir em Paços de Ferreira: Jorge Simão, atual treinador do Boavista. O treinador da equipa axadrezada conduziu a versão 15/16 da equipa Pacense ao 7°lugar, conseguindo assim superar o feito do seu antecessor.

Daí para frente, o Paços de Ferreira entrou numa espécie de “Dança dos Treinadores” onde vários nomes passaram pelo banco de suplentes. No ano passado, o clube ficou em 13°lugar e este ano em penúltimo lugar, deixando assim de estar envolvido no convívio com os grandes do futebol português.

O desalento da massa associativa foi evidente. Vários adeptos do Paços de Ferreira estavam em lágrimas por verem o seu clube despromovido.

No mesmo jogo, desta que ainda para um acontecimento insólito no final da partida. No tradicional agradecimento à equipa visitante, um dos jogadores viu a sua camisola ser devolvida por um adepto como sinal de protesto.

Vivem-se assim tempos dificeis na capital do móvel e já se procura a melhor solução para atacar próxima temporada.