O espaço que as comunidades ciganas (não) têm nos media vai ser discutido em Aula Aberta

É já na próxima terça-feira, 2 de abril, das 10 às 13:30 horas que decorrerá a Aula Aberta de Ciberjornalismo sobre “A voz das comunidades ciganas nos media”. O evento ocupará o Salão Nobre da Universidade Lusófona do Porto.

Sob a organização das docentes Carla Cerqueira e Vanessa Rodrigues e da turma finalista de jornalismo da Universidade Lusófona, o evento terá em vista o debate sobre as condições atuais das comunidades ciganas em Portugal.

Qual é a visibilidade das comunidades ciganas nos média portugueses?

Como são representados?

Qual o papel do Jornalismo na visibilização destas vozes?

Quais são as vozes em falta?

De que maneira as redes sociais e o ativismo têm contribuído para elevar a consciência sobre esta comunidade?

Como é que esta comunidade se autorepresenta?

Para responder às questões que incitaram à organização da Aula Aberta, o Salão Nobre contará com uma uma multiplicidade de vozes de áreas distintas:

Ana Cristina Pereira, repórter do jornal PÚBLICO desde 1999, dedica-se a temas de Direitos Humanos e de exclusão social. Maria Gil, ativista que se desenvolveu e fortaleceu através do teatro e atua como representante da comunidade cigana. Maria José Casanova, investigadora e coordenadora de múltiplos projetos entre os quais o OBCIG – Observatório das Comunidades Ciganas – Alto Comissariado para as Migrações e Secretaria de Estado para a cidadania e igualdade. Paula Allen, psicóloga com várias especialidades e fundadora da Associação Plano i, criou e dinamizou o grupo de mulheres ciganas ativistas do bairro da Biquinha, em Matosinhos. É atualmente Coordenadora Geral do Centro Gis – Centro de Respostas às Populações LGBTI. Élia Maia, residente no Conjunto Habitacional da Biquinha e com pertença à comunidade cigana, trará à Universidade Lusófona exemplos da sua experiência pessoal até à data.

O evento será aberto à comunidade académica, assim como a todos os interessados.

Localização:

 

 

Redigido por:

Gabriela Bernard

Raquel Batista

Deixa um comentário