Futebol: moderação das notícias no Facebook

Voltar
Escreva o que procura e prima Enter
Futebol: moderação das notícias no Facebook

  • “Sim, pelo mesmo motivo de permitir que exista comentários de ódio. Quem publica, deve controlar esse tipo de comentários. Ao aceitar permite que haja não só este tipo de ódio como acabam por serem piores.”
  • “Não penso que isso caiba aos jornais, apesar de concordar que estes discursos não devam ter espaço e que eliminá-los é uma atitude correcta. Acho que isso deveria passar pela própria rede social onde as notícias são hospedadas.”
  • “Penso que os jornais não espalham ódio, nem conseguem controlar comentários de terceiros.”
  • “Depende da moderação, sendo em demasia estaria a pôr em perigo a liberdade de expressão, o que é importante para um jornalismo isento.”
  • “Maior parte dos casos sim, pois o que mais convida uma pessoa a ler uma notícia são os títulos, as chamadas letras grandes, que aparecem em primeiro plano e isso influencia muito as pessoas, pois na maior parte dos casos nem abrem a notícia e o que está no corpo da mesma acaba por ser uma contradição do título.”

Formulário divulgado durante 2 semanas, em maio de 2021

Numa amostra de 230 pessoas, estas foram algumas opiniões sobre como os jornais devem ou não devem intervir nos comentários que as pessoas deixam nas notícias. No mesmo formulário, a maior parte dos inquiridos apontou que o tipo de discurso que vê nas notícias sobre futebol é à base de violência verbal – normalmente gerada por questões clubísticas, ou como alguns referem “defender as cores do clube”.

Na perspetiva de Leandro Coelho, vítima de discurso de ódio, os comentários não devem ser apagados, porque cada um é livre de comentar o que pensa e pode ser “um abre olhos para a sociedade”.

A maioria das respostas ao formulário eram de homens e indicaram quais os jornais generalistas e desportivos (impressos e/ou online) liam com mais regularidade:

E os motivos para ler notícias de carácter desportivo?

Uma grande parte dos inquiridos apontou que lê as notícias de futebol, em particular, por causa de um clube em específico, pelo gosto pela modalidade e para estar a par das novidades. Mas estes mesmos optam por não as comentar – Duarte Guimarães, um jovem de 21 anos, é exemplo: “sinto que a minha opinião não vai alterar em nada a opinião dos outros, mesmo que seja relevante o meu ponto.”

Duarte Guimarães – fotografia cedida pelo entrevistado